sábado, 22 de maio de 2010

Vai Comprar ou Trocar o Smartphone?

SMARTPHONE

"Já lhe aconteceu de estar no carro e lembrar que a precisa passar numa loja que está perto, mas não sabe exatamente onde? O combustível do carro está acabando e na região onde está você não sabe onde abastecer? Você está na avenida certa, mas não sabe se está no sentido certo, ou o quanto perto está a rua que precisa acessar para chegar ao seu destino? E aquele email importante que você está esperando, será que já chegou? Quer dar uma olhada ou postar alguma coisa já no twitter, facebook ou orkut? E que tal ter programinhas com receitas de comida, tabela da copa, resultado da loteria, tradutor de línguas, ou qualquer assunto que lhe interesse?

Acredite, nenhuma destas situações e muitas outras seria um problema se você tivesse um Smartphone. Celular poderoso que além das funcionalidades básicas de um celular comum, (falar, mandar/receber mensagens surtas de texto – SMS, ou fotos MMS, fotografar, filmar, agenda, ouvir musica, etc.), vem equipado como se fosse um computador (com limitações, é claro), com processador, memória, espaço para armazenamento, software, etc., além de um localizador (GPS) e conexão Wi-Fi (rede sem fio para acesso a internet). Isso quer dizer que pode instalar softwares úteis que permitem, por exemplo, identificar pontos de interesses próximos (restaurantes, cinemas, postos de gasolina, etc.), navegar na internet, ver seus emails e consultar sua agenda e calendário que estão ou não sincronizados com o seu micro. Pode ainda instalar jogos, aplicativos de negócios, consultar o tempo, moda, receitas, fotografia, livros, musicas, em resumo, para o que quer que lhe interesse certamente haverá um aplicativo adequado que poderá ser instalado no smartphone. E isso é o que torna o Smartphone especial: A possibilidade de instalar programas (aplicativos) que facilitam sua vida e podem ser acessados a todo o momento, já que o celular está sempre com você. Depois de algum tempo, tem-se a sensação de que fazer uma ligação com um smartphone é uma das coisas menos importantes.

Como num computador, na escolha de um smartphone é fundamental definir o tipo de aparelho, isto é o hardware, só que, além disso, é preciso saber qual o sistema operacional (aqui a Microsoft não domina o mercado), não só porque este define a forma como seu smartphone irá operar, mas também por um ponto fundamental que é a disponibilidade de aplicativos que você poderá depois instalar para potencializar o uso do seu smartphone.

Há basicamente 3 tipos de hardwares em smartphones: Os primeiros modelos, teclado+tela, possuem formato de barra com um teclado completo (qwerty) e uma tela não muito grande imediatamente acima. Este modelo é tipicamente o padrão iniciado pelo Blackberry e por depender das teclas em geral é de uso menos intuitivo e é mais apropriado para o lado funcional do smartphone (emails, agenda, cálculos, etc.). Costuma ser o mais barato.

O segundo tipo é o padrão Iphone, tela+touch, em que o celular praticamente não tem botões ou teclas. Quase tudo é feito por toques na tela e como esta pode ser configurada de forma muito mais versátil do que teclas fixas, o acesso as funcionalidades são mais intuitivas, dispensando até a leitura do manual dependendo do sistema operacional. Tem como inconveniente a digitação de textos através de um teclado virtual projetado na tela, onde não se tem a sensação táctil de um teclado de verdade.

Para compensar este último inconveniente, existe o terceiro tipo de celular, touch+teclado, que além de uma tela sensível ao toque traz ainda um teclado acessado ao abrir o celular. É o tipo mais completo, porém será sempre maior que os outros dois.

É lógico que um smartphone deve ter no mínimo os mesmos recursos de celulares normais que todos já conhecem, além da função GPS (ou AGPS, com localização assistida por sinal de radio), Wi-Fi (conexão a redes wirelles) e tecnologia 3G/HSPDA, freqüência 850 para a Claro e 2100 para as demais operadoras do Brasil. E já que um smartphone é quase como um micro, valem as comparações do processador (quanto mais Megahertz melhor. No mínimo 400MHz), memória (medida em Megabytes, 128Mb pelo menos), espaço de armazenamento por cartão que tem que ser comprado a parte, ou melhor, se interno, ou fornecido com o aparelho (medido em Gigabytes, capacidades acima de 8Gb pelo menos).

Já quanto ao sistema operacional, veja o resumo dos quatro principais soluções de mercado abaixo:




Existem também smartphones com sistemas operacionais proprietários, isto é “não abertos” a desenvolvedores para criação de aplicativos, que, no entanto tem suas “lojas” de venda de software. Como apenas o fabricante desenvolve os aplicativos tem-se a vantagem da confiabilidade, porém um número muito menor de aplicações com chance de você não encontrar recursos legais que podem lhe interessar. Blackberry e Palm estão dentro deste modelo. Até as coreanas LG e Samsung tem alguns celulares com sistemas operacionais próprios, bons e com baixo custo, mas não são exatamente smartphones.

Afinal quais os modelos para cada caso? Veja na tabela, sugestões de smartphones disponíveis no Brasil por tipo e por sistema operacional:



OBS.: Os modelos em negrito são os que eu compraria.

Os menores valores são em geral oferecidos por operadoras vinculados a pacotes de serviços, situação mais comum para quem pretende utilizar um smartphone. Já os maiores valores são para compra de celulares em planos pré-pagos, condição improvável. É claro, sempre existe a possibilidade de se encontrar preços maiores ou menores do que os indicados.

Essa pesquisa só aconteceu, porque estou pensando trocar meu smartphone..."

texto escrito por RTelles em SP, 21/05/2010

Nenhum comentário: